Renato Perim Colistete

Economia, História e História Econômica

Archive for janeiro \06\UTC 2011

Interpretações sobre a América Latina

Posted by Renato em 06/01/2011

Em um post anterior, comentei sobre o novo livro de Luis Bértola e José Antonio Ocampo, Desenvolvimento, Vicissitudes e Desigualdade: Uma História Econômica da América Latina desde a Independência.  Como uma obra notável que é, os autores apresentam novas interpretações sobre diferentes aspectos do desenvolvimento econômico na América Latina, suas conquistas e debilidades.

Uma das minhas maiores discordâncias quanto à interpretação geral apresentada no livro refere-se à posição adotada quanto aos trabalhos de Engerman & Sokoloff (1997; 2002). Bértola e Ocampo minimizam as contribuições desses autores e, de fato, até simplificam exageradamente a sua interpretação, associando-os a um “determinismo estrito dos recursos sobre os aspectos tecnológicos e institucionais” (Bértola e Ocampo, 2010, p. 21). Aqui, aparentemente, determinismo é visto no sentido de fatos fixos do passado determinando de maneira irreversível os resultados do futuro, não havendo lugar para agência humana e mudanças nas instituições.

Essa opinião não faz justiça aos trabalhos seminais de Engerman & Sokoloff, em que recursos, poder político das elites, instituições e políticas públicas interagem de maneira bem mais complicada do que a suposição de um determinismo estrito dos fatores. Para Engerman & Sokoloff, o peso do controle dos recursos produtivos sobre estruturas políticas e institucionais não parece implicar irreversibilidade ou impossibilidade de mudança institucional. A questão central levantada por Engerman & Sokoloff é outra: como a elevada desigualdade na distribuição da riqueza, do capital humano e do poder político influencia a evolução das instituições (educacionais, por exemplo) e, então, o desenvolvimento econômico de longo prazo.

Bértola e Ocampo são muito mais favoráveis à interpretação de Coatsworth sobre as causas do atraso econômico latino-americano (Coatsworth, 1988 e 2008). A opção de Bértola e Ocampo pela interpretação de Coatsworth me parece, contudo, pouco promissora. Para Coatsworth as características coloniais ressaltadas por Engerman & Sokoloff são pouco relevantes para o desenvolvimento de longo prazo na América Latina. A América Latina teria fracassado em incorporar as inovações da Revolução Industrial devido à fragilidade de suas elites locais frente à metrópole. A região necessitava de governos fortes para promover a indústria moderna, “não menos desigualdade e exploração, mas talvez muito mais de ambos, incluindo subsídios às empresas e esforços para manter os salários baixos” (Coatsworth, 2008, p. 560). Então, com o crescimento da economia exportadora a partir de meados do século XIX, houve aumento da desigualdade econômica, fortalecimento das elites agrárias e manutenção de baixos salários devido à imigração e migração interna, mesmo com renovado crescimento econômico. Sob tais condições, a América Latina finalmente viveria seu take off, tardio mas substancial.

Dois grandes problemas da interpretação de Coatsworth são a sua frágil base empírica e sua perspectiva, vamos dizer, “estatista”. Que a desigualdade não é incompatível com o crescimento econômico é algo óbvio, como a história do Brasil demonstra recorrentemente. Algo bastante diferente é assumir que a elevada desigualdade seja uma pré-condição para o desenvolvimento econômico.  Não há evidências no Brasil, por exemplo, de que a concentração da riqueza na economia açucareira do nordeste fosse significativamente menor do que na economia cafeeira, que liderou a expansão econômica a partir da segunda metade do século XIX. Da mesma forma, buscando fundamentar sua hipótese de fragilidade das elites locais, Coatsworth fala em “rebeliões e resistência endêmicas” mesmo nas fazendas escravistas do Brasil (e Caribe) pré-independência, o que não parece ser verdadeiro no caso brasileiro pelo menos.

O outro grande problema da abordagem de Coatsworth é que ela desloca o foco das origens do atraso econômico para as instituições estatais (“capacidades estatais”) e as políticas públicas orientadas para a industrialização (subsídios, contenção de salários), em uma perspectiva reminiscente da teoria cepalina e da teoria da dependência.

Com isso, algumas das linhas mais profícuas de investigação abertas pelos trabalhos de Engerman & Sokoloff são deixadas de lado: primeiro, entender como o controle dos recursos produtivos está relacionado com o poder de elites, instituições políticas e políticas públicas que afetam o conjunto da sociedade; segundo, de que maneira políticas públicas tradicionalmente negligenciadas pela literatura econômica (acesso à terra, educação primária, patentes) podem ter impactos significativos sobre a capacidade de crescimento econômico sustentado de uma sociedade; terceiro, em que medida e porque características institucionais do passado podem ser persistentes e afetar o desenvolvimento econômico de longo prazo.

Essas questões não são simples e requerem uma substancial ampliação de horizontes em relação ao tratado tradicionalmente pela literatura sobre o desenvolvimento ou o atraso econômico na América Latina.

O livro de Bértola e Ocampo é uma importante contribuição à historiografia econômica da América Latina, mas ao priorizar as “capacidades estatais” e “políticas industrializantes”, minha impressão é que os autores se distanciam de questões e respostas cruciais para explicar o atraso econômico latino-americano.

Posted in Fontes, História Econômica | 2 Comments »

Um novo livro sobre América Latina

Posted by Renato em 01/01/2011

Um novo lançamento vem complementar o que já tinha sido um bom ano para a historiografia econômica da América Latina, como ilustra a publicação em outubro de 2010 do livro organizado por Salvatore, Coatsworth e Challu,  Living Standards in Latin American History: Height, Welfare, and Development, 1750-2000. Camb., Mass., Harvard University Press, 2010. Nesse livro, inclusive, Claudio Shikida, Leonardo Monastério e Luis Paulo Nogueirol colaboraram com um capítulo, com um estudo antropométrico inédito sobre o Brasil entre as décadas de 1930 e 1980.

Agora, bem ao final de 2010, Luis Bértola e José Antonio Ocampo lançaram uma nova obra que promete tornar-se uma das principais referências sobre a história econômica da América Latina: Desenvolvimento, Vicissitudes e Desigualdade: Uma História Econômica da América Latina desde a Independência. Este livro junta-se aos de Victor Bulmer-Thomas e Rosemary Thorp como as melhores introduções à história econômica da América Latina disponíveis em um único volume.

O novo livro de Bértola e Ocampo apresenta uma síntese do desenvolvimento econômico da América Latina, desde as independências das novas nações no início do século XIX até os dias de hoje. Uma das tarefas mais difíceis em uma obra geral deste tipo é equilibrar uma análise do conjunto do que se chama convencionalmente de América Latina – marcada por uma enorme heterogeneidade étnica, cultural, econômica e institucional – com as histórias dos países que a compõem. O livro de Bértola e Ocampo é um dos mais bem-sucedidos nesse aspecto, com um tratamento detalhado das economias individuais que qualificam e ilustram os diferentes caminhos e resultados da história econômica dos países latino-americanos.

Chama a atenção no livro a riqueza dos dados macroeconômicos, apresentados sempre em uma perspectiva comparativa e articulada aos grandes eventos internacionais. Além de bases de dados da Cepal e de outros autores, Bértola e Ocampo compilam e utilizam estimativas próprias de vários indicadores comparativos que dão uma contribuição que já por si garante um lugar especial ao livro na historiografia econômica da América Latina.

A riqueza dos dados não ofusca o que é o objetivo principal dos autores: apresentar uma síntese que contemple os aspectos institucionais e históricos dos países latino-americanos de forma integrada à análise quantitativa. O conhecimento demonstrado pelos autores das realidades dos diferentes países é um dos pontos altos do livro. A maioria dos leitores chegará ao final do livro com um substancial conhecimento extra das histórias que constituem a América Latina.

Outro destaque do livro é que sua análise se estende praticamente até o final da década de 2010, com um balanço inédito e inovador do desenvolvimento econômico das últimas três décadas na América Latina.  Bértola e Ocampo conseguem abordar esse período com uma perspectiva de longo prazo que salienta continuidades e rupturas com o passado, sem cair no que é talvez o mais grave vício dos estudos que se concentram em períodos recentes: a desconexão com a história, com as tendências de longo prazo, com as dimensões internacionais dos fenômenos que engolfam vários países simultaneamente, embora com respostas e resultados distintos.

Para os leitores brasileiros, esse último aspecto talvez seja um dos mais relevantes, dada a tendência arraigada de vermos a experiência histórica brasileira como algo praticamente único e desvinculado tanto do restante da América Latina quanto do conjunto da economia e da sociedade internacionais. O leitor terminará o livro de Bértola e Ocampo percebendo o quanto esse viés é limitante e equivocado.

Duas ótimas notícias adicionais para os leitores brasileiros: o livro foi publicado simultaneamente em espanhol e português; e mais importante, a versão integral está disponível para download no site da Secretaria Geral Ibero-Americana –  veja aqui. Uma excelente opção para os cursos que tratam da história econômica da América Latina, na graduação e pós-graduação.

Como todo livro de abrangência tão ampla, porém, há possíveis ressalvas quanto às interpretações dos autores. Mas deixo os comentários a respeito para um próximo post.

Posted in Fontes, História Econômica | 1 Comment »